Menu
PAULO-GAS
aulas-presenciais-bahia-sudoeste-destaque

Ministros da Saúde e Educação debatem soluções para o retorno seguro às aulas

Os ministros da Saúde, Marcelo Queiroga, e da Educação, Milton Ribeiro, se reuniram na manhã desta última quinta-feira (08). Durante o encontro, foram debatidas as soluções e protocolos que permitam o retorno de milhões de crianças e adolescentes às salas de aula em virtude da pandemia possam voltar a frequentar as escolas. Na quarta-feira (7), Queiroga já havia debatido o assunto com representantes de vários organismos internacionais, com posições unânimes sobre a retomada das aulas o quanto antes, de forma a evitar prejuízos aos alunos que vão muito além de apenas aprendizagem. O fechamento dos estabelecimentos de ensino também provocou problemas alimentares, nutricionais, de saúde mental, além de estar associado a aumento de casos de violência doméstica, trabalho infantil e evasão escolar. Em consonância com organismos internacionais voltados para a saúde e infância, o Governo Federal entende que já há condições seguras para devolver os estudantes a suas classes. Para isso, será publicada na próxima semana uma portaria interministerial envolvendo os ministérios da Saúde (MS), da Educação (MEC) e a Casa Civil da presidência da República. “É fundamentar retornar às aulas, isso é um consenso, não só da Educação. É uma questão de Saúde, porque muitos alunos, eles vão se alimentar na escola. Então temos que voltar e isso é algo que tem que ser uma ação não só do Estado brasileiro, mas também da sociedade civil. Não é à toa que temos o apoio do Unicef, que entende de educação. Então, isso vai acontecer. No início da semana que vem vamos editar essa portaria”, destacou o ministro Marcelo Queiroga. Além do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), a Organização Mundial da Saúde (OMS), dentre outros organismos multilaterais apoiam o retorno. O ministro da Educação comentou o fato de o Brasil ser um dos últimos países em desenvolvimento a manter escolas fechadas e pontuou que as nações desenvolvidas já estão com aulas presenciais. “Nós somos um dos últimos países com escolas fechadas. A perda é acadêmica, é emocional e pode ser considerada até nutricional para muitas crianças de escolas públicas. Então, faço aqui um apelo aos profissionais de educação, aos gestores municipais e estaduais, que está na hora. As crianças não aguentam mais”, disse Ribeiro. No encontro, os dois ministros também discutiram o Plano Nacional de Fortalecimento das Residências em Saúde, direcionado a médicos e profissionais da saúde de outras 15 categorias. “A melhor maneira de formar um profissional de saúde, do ponto de vista da especialização, é a residência. Essa é uma iniciativa absolutamente inovadora. É uma grande conquista, e vamos avançar não só na abertura de vagas, mas também na alocação de vagas prioritárias. Isso é uma maneira de responder as nossas necessidades no médio e longo prazo resolver um problema crônico do sistema de saúde brasileiro”, reforçou Queiroga. Para além da promoção de melhor qualificação dos profissionais de saúde, a iniciativa trará oferta de serviços de melhor qualidade, melhoria dos serviços hospitalares e da atenção primária e o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) de uma maneira geral.

Compartilhe:

Últimas Notícias

Categorias

(12)
(38)
(4)
(36)
(892)
(12)
(4)
(18)
(8)
(249)
(214)
(29)
(94)
(4)
(15)
(4)
(11)
(1)
(112)
(13)
(127)
(14)
(35)
(11)
(2)
(11)
(20)
(2)
(4)
(2)
(6)
(26)
(40)
(3)
(11)
(21)
(77)
(15)
(17)
(1)
(1)
(59)
(7)
(14)
(3)
(37)
(24)
(61)
(33)
(4)
(24)
(15)
(16)
(475)
(3)
(25)
(39)
(44)
(7)
(8)

Nós utilizamos cookies e tecnologias similares para melhorar sua experiência em nossa site. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com nossa Política de Privacidade.